sexta-feira, 23 de agosto de 2019

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

Uma instituição paternal

“- Olhe a lista de fatos sem precedentes no séc. XX:
um presidente assassinado,
uma guerra impopular, perdida...
- A Guarda Nacional mata 4 estudantes...  Watergate.
- A gente mal pode atinar…
- Nossa democracia está virando isso? Essa é a política?
Apenas uma reação ao tumulto?
- O governo era simbolicamente uma instituição paternal.
- Agora, salve-se quem puder.
- O mundo não faz sentido, então o crime também não faz.
- Podemos teorizar a noite toda, mas não sabemos, ninguém sabe.
- Claro, mas o problema é que ninguém questiona.”

(diálogo em “Mindhunter”, da Netflix)

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

A delícia e o sofrimento que é ler Edgar Morin

Estou no fim de "Um Ano Sísifo", diário da vida de Edgar Morin, escrito em 1994.
É o terceiro diário de Morin que leio. "Diário da Califórnia" (1969) e "Chorar, Amar, Rir, Compreender" (1995), todos publicados pela ed. SESC, foram os outros. Dos seus diários, só me falta ler "X da Questão - O Sujeito à Flor da Pele" (1962-1963).
Apesar de já ter lido 2 diários, esse terceiro me traz prazeres e sofrimentos novos em sua leitura. 
A situação da ex-Iugoslávia e de Ruanda, com seus genocídios incríveis, além do "beco sem saída" político em que se encontrava a França (na visão de Morin) e o mal estar que sente por morar em Paris criam um clima melancólico que perpassa o texto em entra pelos poros. 
Nesse clima, o autor se manifesta contrariado pelas idas e vindas de seus afazeres, pelas contradições que enfrenta nos sentimentos, pensamentos e ações que realiza. E que ele, honesto, não esconde do leitor.
É uma forma de alívio saber que uma mente brilhante como a de Morin - talvez a mais brilhante dos últimos 80 anos - passe por dilemas e contrariedades, até comezinhas, como todos nós. 
Em suas mais de 500 páginas, há tesouros de valor incalculável, alegrias, tristezas, curiosidades, reflexões, e até trechos cômicos (sim, os pensadores também apreciam piadas!).
"Posso afirmar que é nos meus diários que dou o melhor de mim mesmo: são observações, reflexões, julgamentos nos quais me encanto ou me revolto"...  E o leitor pode se encantar ou revoltar-se junto... um privilégio!!!

terça-feira, 20 de agosto de 2019

A Amazônia e o Fim do Antropoceno

O fim do mundo vem de um meteoro.
E o meteoro tem nome.
Chama-se "Amazônia".
Ao queimar-se, em contato com a atmosfera terrestre, vai eliminar também qualquer esperança de futuro para a humanidade (e, junto com ela, a biosfera terrestre).
Seremos, lenta e imperceptivelmente, queimados. Extintos.
O meteoro não vai se queimar espontaneamente, não. Não será o atrito que vai por-lhe em chamas.
O meteoro vai queimar por ser incinerado pelo próprio agente que será eliminado por ele: o ser humano.

"Ah! A infinita estupidez humana!"

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

O maior problema

"O maior problema político hoje (2018) é que as pessoas estão tão polarizadas que não se entendem mais, e por isso não conseguem mais trabalhar juntas, e nada é feito, não se consegue fazer nada."
(Brittany Kaiser em "Privacidade Hackeada", da Netflix)

domingo, 18 de agosto de 2019

O que vemos?

Nós não vemos o que vemos, nós vemos o que somos. Só vêem as belezas do mundo, aqueles que têm belezas dentro de si.
Rubem Alves

Esta frase deu-me a chave para entender por que tantos amigos queridos tornaram-se tão ferozes inimigos do Lula, a ponto de admitirem que "odeiam o PT e tudo que ele representa". Tornaram-se ácidos, mesquinhos, cegos e parciais em seus comentários, atacando a torto e direito qualquer frase, pensamento, fato ou pessoa (o que é pior) que tenha a menor semelhança de uma defesa do governo PT.
Eles foram atingidos pela enorme desilusão de ver um partido que julgava-se moralmente acima dos outros, ser manchado e sugado pela lama moral da corrupção e do ilícito.
Eu também sofri e sofro com os percalços de Lula e do PT. Desde há muitos anos denuncio erros e posturas com as quais não concordo.
Mas ao invés de julgá-los todos hipócritas, devassos, gananciosos e criminosos, prefiro ver o PT e Lula como pessoas corrompidas por um sistema corrupto e corruptor, que leva ao inferno até as melhores intenções: O poder corrompe.
Não tendo ódio, consigo olhar serenamente para esta situação, sem rancor, mágoa ou ressentimento. 
Empatia? Não sei... talvez. 

sábado, 17 de agosto de 2019

Adeus Redes...

Parei com o Facebook e Twitter.
(razões para isso, procuram no documentário "Privacidade Hackeada", do Netflix)
Estavam me fazendo mal à saúde e às amizades que ainda tenho com quem pensa diferente de mim.
O clima é de guerra, de ódio, de desencanto, de desesperança, de burrice, de despreparo lógico, de falta de interpretação de texto, de fakenews que os benefícios (que são muitos) que eu apreciava nessas redes não conseguiram suplantar o mal que causam.
Então, pra saber o que penso e sinto, pra dar um recado ou fazer uma pergunta, escreva um comentário nas minhas postagens aqui, ou deixem um recado no Messenger.
Que o Amor vença o Ódio!!!!
Beijos

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

O dinheiro não corrompe ninguém... mesmo?

O site "osegredo.com" publicou: "O dinheiro não corrompe ninguém. Só piora quem é ruim, e melhora quem é bom." 
Eis minha reflexão sobre isso: 
Há um porém. O dinheiro vem acompanhado pelo poder, a sensação de que você tem o controle, que você "pode". Estes dois fatores - dinheiro e poder - são, sim, corruptores. Corrompem, sim, pessoas boas, com boas intenções, que só querem fazer o bem, mas que estão convictas que o "bem" é aquilo que elas enxergam como sendo "bem". E aí se acham no direito - e até dever - de eliminar tudo o que se oponha ao "bem" que querem fazer. Tornam-se arrogantes, despóticas, cruéis até. Tudo porque são pessoas boas, com dinheiro e poder. 
Salvo engano.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

A Bicicleta

Você é preso, acusado de roubar uma bicicleta
A bicicleta não está na sua casa. Não está no seu quintal.
O promotor acusa-o de ter sido visto, à noite, andando com a bicicleta.
Você diz que não anda de bicicleta.
Mas o dono da loja, de onde a bicicleta foi roubada, afirma que viu você na loja, olhando aquela bicicleta.
Você confirma que foi mesmo lá, pois sua esposa tinha interesse de comprar uma bicicleta - não "aquela" bicicleta, "uma" bicicleta - e até tinha reservado um dinheiro pra dar de entrada.
O dono da loja, acusado de sonegar o ICMS da bicicleta, faz acordo com o promotor e usa o dinheiro do seguro contra roubo da bicicleta pra saldar o débito que tem. E confirma que deixou você roubar a bicicleta pra poder pegar a grana do seguro. E se livrar do processo de sonegação.
Você é preso, julgado e condenado por roubar a bicicleta que você não tem.
...
Ah, a marca da bicicleta é "Triplex".
O promotor e o juiz são promovidos... A loja continua funcionando.