quinta-feira, 7 de maio de 2009

Relatório de Viagem - 3

O primeiro dia na Ilha do Cardoso passou rapidamente. Passeamos pela praia, almoçamos comida caseira em um restaurante simples, mas gostoso, acompanhados de um casal jovem que nos indicou um bom lugar para acampar, na sombra e com chuveiro quente.

Decidimos fazer juntos na manhã seguinte um passeio guiado até uma cachoeira, que incluía um rápido trajeto de barco a motor pelo canal, seguido de caminhada pela Mata Atlântica por meia hora. Antes de dormir, fomos até a praia ver como estava o céu noturno sem lua. E ficamos maravilhados! Nunca havíamos visto tantas estrelas em céu tão limpo e negro. As tradicionais constelações ficavam até difíceis de se identificar, em meio à multidão de estrelas de todos os brilhos. A Via Láctea era, finalmente, isso mesmo: um caminho leitoso e brilhante de um lado a outro do céu. E mesmo fora dela havia muitas estrelas e nebulosas. Ao ficarmos de olhos fixos nas estrelas, começamos a ver algumas estrelas cadentes. Cada um de nós tentava enxergar uma antes dos outros. Na tentativa de evitar dores no pescoço, deitamos na areia. Foi quando vimos bem acima de nós - não uma estrela cadente, esse risco rápido no céu que logo se desvanece – mas um legítimo meteoro queimando-se no atrito com a atmosfera, deixando um traçado de fogo no céu e uma imagem indelével na mente. Um espetáculo!

3 comentários:

Dona Sra. Urtigão disse...

UUAAUUU!
(meio inveja, muito admiração, ou talvez um uivo para as estrelas...)

bete disse...

Ui, que bela foto!

Vocês fizeram desejos? tem que fazer desejos quando vemos estrelinhas cadentes...

Eu também acho muito legal "redescobrir" a Via Láctea, e entender porque ela chama Via Láctea, é muito gostoso mesmo de ver. Ela foi embora daqui de São Paulo faz um tempão. De vez em quando o Cruzeiro do Sul dá o ar da sua graça.

Fábio Adiron disse...

Ora direis ouvir estrelas...