quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Nunca vi

Amigos tenho de vários tipos.
Tenho aqueles que vejo sempre, a gente vive se encontrando, se esbarrando, se falando. Tenho aqueles que pouco vejo, mas sinto saudade e é uma alegria encontrar. E tem aqueles que a gente não vê mais, sumiram no tempo e no espaço, mas ainda considero amigos.
Agora tenho também aqueles que nunca vi, e assim mesmo considero amigos. Graças à blogosfera, arrumei uma porção destes.
Um grande abraço, amigos!!!

9 comentários:

Raquel disse...

É mesmo...eu tenho o mesmo sentimento...mesmo me sentindo redícula algumas vezes,pois sou de um tempo que a gente nem sonhava com estas possibilidades,amigos só os que estavam literalmente ao nosso lado.

Um abração,amigo Rubinho!

Alice disse...

hehehheeee....sobrou um cantinho pra caiçara aqui ???? ....heheheeee



beijoooo

Lux Luxo disse...

Eu me sinto abraçada, já que sou sua amiga. Se me disser o contrário, vou aparecer aí na sua casa.

Fábio Adiron disse...

Eu me encaixo na útima categoria. Mas abraço virtual vale tanto quanto o real.

Abraços

Roger disse...

Pois é, é boa essa amizade!

Juber Donizete Gonçalves disse...

Eu também penso da mesma forma e também quero estar nesse abraço virtual.

carmen disse...

Rubinho,

eu sou daquelas que se vê às vezes, como meteoro... rsrs

bjs

Wagner Marques disse...

Amigos são continuidade da gente que encontramos por acaso!

Rondinelly disse...

Eita, amigos de longe, cujos abraços são de letras, têm mexido comigo como se suas palavras fossem de carne. É como se eu pudesse conversar com o amigo personagem de livro, com a diferença de que há possibilidades de desvio da trama, de falta de coesão com a estória, de que a narrativa seja sempre e de novo desmistificada e recomeçada, e isso é muito bom! Abraços.