segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A Convicção de Gandhi

"Não foi à toa que Gandhi entendeu depressa que para abraçar adequadamente o ideal da não-agressão não bastava baixar as armas e oferecer a outra face: era preciso afastar-se deliberadamente das cadeias do consumo e adotar um modo de vida ao mesmo tempo responsável e sustentável. Ele intuiu que a verdadeira não-violência, no seu sentido mais radical da coisa, requer consumir o que se planta, vestir o que se fia, assumir a responsabilidade pelo próprio lixo, abrir mão das ilusões do consumo, abandonar as armadilhas da novidade e ignorar a ficção útil da propriedade privada. E o capitalismo está construído de modo a que você permaneça convencido de que não tem liberdade para fazer qualquer uma dessas coisas." ... "Quem pode nos ensinar a viver de outra forma? Somos paupérrimos, só sabemos comprar para viver. "

P. Brabo, hoje na sua imperdível Bacias das Almas.

4 comentários:

Dona Sra. Urtigão disse...

Como sempre o Brabo, com suas palavras ou de outros, trazendo análises impecáveis.
Existem no entanto alguns tímidos esboços de ideias e ações, partindo de dentro da sociedade capitalista propondo mudanças gradativas a um modelo menos perverso, como o "cidades em transição" com propostas que se não morrerem, como morreram nossos sonhos de comunidades alternativas, podem abrir perspectivas viáveis.
Parece que de dentro do meu pessimismo, sempre mantenho uma semente de otimismo, como no TAO, que contem em si a semente de seu oposto.
Um abraço

Rubinho Osório disse...

Essa é a minha Sra D. Urtigão!!! Sempre protegendo a chama da esperança, por mais frágil que seja! Eu estou com vc: o problema tem a solução. Só espero que não seja tarde demais para nós (humanos).

valter ferraz disse...

Rubinho,
sou pessimista. O problema não é o capitalismo. Seríamos infelizes em qualquer sistema. A ansiedade, o desejo desenfreado é inerente à condiçao humana. Tem jeito não. Talvez uma nova criação (nem com um dilúvio, aprendemos).

Rubinho Osório disse...

Concordo, Valter. Mas vc há de concordar que com o capitalismo não temos nem chance de tentar algo melhor. E nem é questão de ser pessimista ou otimista. É uma questão de ter desejo de mudança. E isso nós temos!!!