quarta-feira, 16 de abril de 2008

110- OS BICHOS E EU (O Tempo Passa...)

Minha vida tem sido pontilhada pela presença, amiga e saudosa, de muitos bichos. É uma das coisas boas que meus pais fizeram comigo: deram-me a chance de conviver com os animais.
O primeiro bichinho que me lembro foi o sagüi que meu pai trouxe da Bahia (vide história 6 - “Mascote”).
Mas houve muitos outros.
O Nêgo, um cão mestiço pequinês, foi personagens de muitas aventuras divertidas (vide história 3 - “Maroto” e foto abaixo) da minha infância.
Os bichos em casa também deram trabalho, basta ver o gatinho que atropelamos na história 41 - “Gato atropelado”.
Aliás, dos gatos, muitos, um que marcou nossas vidas foi Mike (vide história 76 - “Mike” e foto abaixo); gatão boa pinta, com jeito “quietão”, mas ótima companhia.
Tem um cãozinho famoso na minha vida, do qual não tenho a menor lembrança, mas existe uma foto dele me mordendo a bunda (vide abaixo), para provar sua existência.
Houve também preás, hamsters, rato branco (que merece um capítulo), coelhinhos (vide história 3 – “Maroto”) e coelhão (em história futura), periquitos (vide história 74 - “Periquitos”), tartaruga “ninja” (personagem de uma história em breve), pintinhos que viraram galos, aquários cheios de peixinhos coloridos. Além de dos já citados, outros seis cães Banzé, Pantera, Ira, e três cujos nomes me esqueço agora – e dos outros gatos Perfex, Max (foto abaixo), Kate.

Todos eles encheram minha vida de alegrias, tristezas, histórias simples, singelas e inesquecíveis, que colaboraram, decisivamente, para minha vida ser rica em fatos memoráveis, doces lembranças. No momento privo da companhia de Magnum, o pastor alemão, e Skinner, o sheepdog (fotos acima). Já estão idosos, não sei quanto tempo os terei ainda.
Logo farão companhia ao Aquiles, meu boxer maravilhoso, recém falecido com a avançada idade de 11 anos e meio (foto também acima).
Dentro de casa – porque Magnum e Skinner só ficam no quintal - tenho a recém companhia da Bheatriz, uma jovem e alegre Shitzu trazida pela sobrinha que veio de S. Paulo estudar em Sorocaba.
Sei que dão trabalho. Mas, sempre que posso, aconselho pais a darem a seus filhos a chance de conviverem com animais domésticos. Nem que seja um só, bem simplezinho.
Minha história é pontilhada pela presença de bichos. E fico feliz por isso.

4 comentários:

Alice disse...

Uauuu ! adorei !! sempre q os animais estão ao nosso redor nos tornamos melhores pessoas.... eu tb tive muito bichos, papagaios, coelhos ( minha mãe quase enlouqueceu com eles) gatos vira-latas ,e até cavalo eu tive ( mas eu mova numa fazenda.... ta explicado) e muitos, muuuuiitoooosssss cães.
hoje só tenho uma terrier brasileira ( que é o nome chique do fox paulistinha) que tb é a minha melhor amiga nesses últimos anos..rsrsss...
Abraços pra vc
Alice

Rubinho Osório disse...

Oi tioo!!!
ehehhe Q legalll!!
preciso te dar uma foto da Bhia pra vc colocar aqui nee!! ehehhhe
Obrigada!!

Bjaoo

bete p.silva disse...

Oi! Então, eu sou a Bete, e aí você irá dizer "grande coisa". Mas então, seguinte, bela bicharada né? Só quem gosta de bichos pra saber que é agradável demais. Eu já tive muitos, hoje só tenho a Naja, uma cachorra que faz o que quer de mim. Legal, gostei.

Rubinho Osório disse...

Oi, Bete E Daí!!! Tudo bem?
Gostei da tua visita, entre e fique à vontade!