sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Futuro do Pretérito

Tempo, tempo, tempo...”, já diziam Caetano Veloso em “Oração ao Tempo” e Pato Fu em “Sobre o tempo”. Se há coisa estranha nesse mundo é o tempo. James Taylor, em sua belíssima “Secret of Life” afirma que o próprio Einstein não o entendia - “Einstein said that he could never understand it all”. Se ele não alcançou a compreensão sobre o tempo, quem somos nós para fazê-lo, não é???
Mas nos fascina... nós o medimos, marcamos em segundos, horas, dias, meses, anos, séculos, milênios, eras... e não o compreendemos!!! Escrevemos tese e ficção sobre o tema, filmes, músicas, pinturas, máquinas do tempo... Estaremos perdendo tempo?
Ele nos aterroriza também. E sabe por quê? Porque o tempo é o espaço entre o início e o fim da vida, entre nascer e morrer. Nascer nós até entendemos, mas... morrer é algo incompreensível, aceitável para uns, inaceitável a outros, um mistério para todos.
Uma das características marcantes da música “Time”, do fabuloso Pink Floyd é o tempo que gastaram com a introdução da música – intermináveis dois minutos marcando os segundos - algo inimaginável no mundo musical capitalista de hoje. Já não temos tempo para assistir à passagem do tempo, “tempo é dinheiro” e o mundo é movido a dinheiro - “money makes the world go 'round” - não é?
Muitos medem suas vidas – “este ano fiz um monte de coisas!”; “ah, este ano não fiz nada!” - pela quantidade de coisas com que preencheram o tempo. Não será insano agir assim? Pois o tempo passa tão rápido que não conseguimos acompanhá-lo e ficamos com a sensação de sermos passados para trás...
Dá mesmo vontade de “pedir um tempo” - Time out!!! - e parar pra entender tudo isso.
Mas... não temos tempo!!!

6 comentários:

carmen disse...

Tempo é um assunto muito interessante... Parece que quanto mais somos vividos,mais rápido ele teima em "correr"...

Já me cobrei mais em aproveitar o tempo, remir o tempo, não perder tempo...
Hoje, procuro diversificar o que faço com ele... As coisas que tenho que fazer, as que quero fazer, as que gostaria de fazer...
Estou aprendendo a ter uma divisão mais equilibrada para ter tempo para as coisas inadiáveis, para o trabalho, o lazer, os amigos e para mim...
Deus tem me ensinado e ajudado neste aprendizado...

Alice disse...

...dizem que o tempo é o senhor da razão, mas quão irracional muitas vezes é o tempo em que vivemos !

passei e te deixei um abração !

valter ferraz disse...

Rubinho,
entendo o tempo apenas como uma convenção, nada mais. Daí, que faço e desfaço dele. Abolí há muito o "não tenho tempo". Tenho todo o tempo que o Criador ainda me deixará por aqui e quando me for, daí sim terei todo o tempo do mundo. Meio aterradora essa percepção do eterno, mas é assim.
As músicas a que vc se refere, todas muito apropiadas. Não te falei outro dia que no assunto música vc detona? Pois é. Eu estava certo. Sou muito bom em escolhas.
Bom final de semana.
Forte abraço

ps: que por-do-sol, hein?

Lou Mello disse...

Ando sem tempo para prestar atenção ao tempo. Isso me lembra aquele cara da Bíblia que tinha tempo para tudo. Devia ser um chato de galocha (vixe, que velharia!), coisa do meu tempo de menino. Já abandonei o relógio algumas vezes, mas ele sempre volta para meu pulso. Deve ser daqueles amores que pegam. Sei lá. Meu grava os programas para escutarmos depois. Duvido que vc tenha pensado nisso.

Dona Sra. Urtigão disse...

Mas este tempo que usamos pode ser elástico. Quanto mais coisas fazemos nele, mais ele é expandido. Tenho certeza...2008 foi um ano enorme, se contar por tudo que inclui e realizei nele.
Anos grandes para voces, tambem !

Anônimo disse...

o tempo passa cada vez mais rapido do que nos possamos imaginar
devemos fazer as coisas com mais rapidez pq se não da tempo para fazer depois
bbjjjsssssss