quarta-feira, 27 de outubro de 2010

De que lado eu estou?

Não tem jeito. Tentei, tentei mesmo ficar quieto no meu canto nesse segundo turno da eleição para presidente do Brasil...sil... sil!
Mas aí, um cara - Roberto da Matta - escreve hoje nO Estado de S. Paulo - um artigo - você pode ler aqui - no qual me pergunta "De que lado você está?". Além da pergunta, constrangedora e pessoal, ele elenca uma série infindável de argumentos para eu não "enverdecer" (sic). Me pergunta "será que você não enxerga que o exemplo de neutralidade (como se eu fosse exemplo de qualquer coisa) é fatal quando há uma óbvia ressurgência do velho autoritarismo personalista?..." e por aí vai com "ene" outras perguntas cabeludas. Para, ao fim, desafiar-me: "Diga de que lado você está". E se há uma coisa que mexe comigo é desafio...
Taí, vou responder! Vou dizer de que lado estou!!!

EU TÔ FORA!!!

Ô loco sô, tá pensando o quê?

Um comentário:

Roger disse...

No caso de Marina senti que valia a pena a viagem até o consulado para a votação.

Apesar de ser favorável a Dilma vou ficar quieto aqui em casa e dar um jeito de justificar.

Sou da teoria que não existem super heróis e nem que Dilma ou Serra ou PT ou PSDB sejam legiões de demônios.