sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Certeza, dúvida, razão e fé

"Todo ponto de vista é a vista de um ponto" - Leonardo Boff em "A águia e a galinha".
Invejo as pessoas que tem certeza.
Deve ser tão bom sentir a segurança, tranquilidade, até, talvez, um pouco de superioridade por ter certeza. Deve ser melhor ainda a sensação que tem as pessoas cujas certezas advém da fé. Sim, porque caso a certeza, como as dos cientistas, seja baseada na razão, sempre há a possibilidade de uma argumentação contrária, uma prova cabal do oposto, uma descoberta que desmonte a certeza anterior.
Mas não a fé.
A certeza da fé é inabalável. Qualquer, absolutamente qualquer argumento contra a certeza da fé pode ser - e geralmente é - refutado com um simples dar de ombros e "você não entende", "eu sei que estou certo", "a fé tem razões que a razão não entende", "um dia, se Deus quiser, você chega lá" ou outra frase condescendente qualquer. Sim, uma coisa que a certeza da fé provoca é o orgulho de se estar certo. Por vezes, travestida de falsa humildade, tipo "Deus me iluminou", "a graça de Deus me fez ver a verdade", a certeza da fé coloca o eleito acima dos meros mortais pecadores, coitados.
Meu ponto de vista é apenas a vista de um ponto. Não tenho ambição de ser a verdade, tenho a esperança que possa estar próximo dela, tenho o desejo de que meu ponto de vista possa ajudar a vista de um ponto alguém e ambos possamos nos aproximar mais do que seja verdadeiramente verdadeiro. E vice-versa. Tento, em cada ponto de vista de outrem, enriquecer a minha visão de um ponto.
Mas, certeza mesmo, não tenho.

4 comentários:

Nelson Costa disse...

Algo além disso é mera especulação política. Principalmente em tempos de junção de Cristianismo com Big Bang!

Texto maravilhoso e profundo! Ganhei meu fim de semana.

Obrigado Rubens!

Roger disse...

Se quero entender Deus objetivamente, isto significa que eu não creio; e precisamente porque não posso entendê-lo objetivamente é que preciso crer. Assim, se quero preservar minha fé, preciso estar sempre atento para não me esquecer de que estou na incerteza objetiva “sobre setenta mil braças de água”, e ainda assim creio. (Tá lá na Teologia Livre).

carmen disse...

Rubinho:

Creio que a fé não se explica, pelo menos por inteiro...

Por isto é fé! Fé é a certeza das coisas que se não veem, que se esperam...

Mas se a minha fé está um tanto quanto abalada, a verdade continua lá, no manual do Fabricante, na Bíblia, e mesmo sem entender tudo, continuo a crer pois "seja mentiroso todo o homem, e Deus verdadeiro"!!!

Agora, não creio que haja alguém que se "orgulhe da sua humildade", do seu conhecimento, que é apenas uma pequena parte do conhecimento de Deus! Será??? O pior é que deve ter...

Mas espero por Ele, apesar de tudo, apesar de mim... pobre e frágil pecadora.

Saudades, nos aguardem!

Tuco Egg disse...

Tem um texto (pra variar, citado pelo Brabo na Bacia) do Ellul muito legal no qual ele diferencia fé de crença. A crença seria cheia de certezas, a fé caminharia de braços dados com a dúvida, descansando na confiança.