terça-feira, 20 de setembro de 2011

Tenho dó das mulheres...

Vejam só:
A mulher, que por décadas lutou para ter a liberdade de fazer tudo que o homem fazia, é hoje prisioneira da obrigação de fazê-lo. Deixou de ser oprimida pelo homem, para oprimir a si mesma. Quando conquistou merecidos direitos, quando libertou-se da imagem de inferior, lançou sobre si a carga de provar que pode ser superior. (Tuco Egg, em seu excelente blogue "A Trilha", inspirado, talvez, pelo Alysson).
Não é de dar dó? Eu, fosse mulher, tentaria tudo, menos ser igual ao homem... argh!
O capitalismo conseguiu destruir e estragar toda a beleza da emancipação feminina. Deixaram de ser o contraponto à insanidade masculina e tornaram-se "homens" com capacidade de procriar... tenho dó... de todos nós...

6 comentários:

Luciana disse...

Concordo plenamente!

Mery disse...

Não, eu não concordo, amigo...
A mulher tem direitos iguais, ela não pode ser "inferior aos homens ,ao contrário, pois é a luz do mundo".
Vivemos numa época em que a mulher não se submete mais ao senhor que a mantém e ao mesmo tempo a trata com escrava.Ai, me desculpa, mas eu falei o que sinto, tem quem discorde, eu sei.Amigos?
Estou seguindo seu blog, espero que me visite e me siga também, se quiseres, é claro!
Um forte abraço da Mery*, uma carioca da gema.

Mery disse...

Rubinho, não achei os seguidores, se puder, me diz com seguir-te...
Mery*

Rubinho Osório disse...

Mery,
Jamais quis afirmar qualquer desigualdade qualitativa entre homem e mulher. O que afirmo é que a "igualdade" obtida pela mulher é um equívoco provocado pelo capitalismo que tem causado muito sofrimento ao homem, à mulher e às crianças. Ok?

Rondinelly disse...

...porque o homem, com quem está quase igual, é o pior ídolo que ela poderia escolher para imitar... As supostas revoluções do Ocidente nos enganaram: eram os países ricos que deveriam ter escolhido a pobreza como meta (sim, porque enquanto a pobreza como impossibilidade é maligna, a pobreza como escolha é santa), eram os executivos que deveriam ter escolhido os ociosos poetas como imitáveis (sim, porque foi para o descanso que fomos salvos) e eram os homens que deveriam ter querido a igualdade com as mulheres (sim, porque... essa é óbvia).

Dona Sra. Urtigão disse...

Gostei da discussão, já tive na vida posições bem mais radicais do que tenho hoje, mas entre ter que submeter-me como cabia tradicionalmente ás mulheres ou assumir papéis masculinos acrescidos aos femininos, escolhi a segunda via, mais trabalhosa, difícil, mas por outro lado, a unica possivel. Para mim, para aquele momento. Eu "e minhas circunstancias".
Gostei muito das considerações do Rondinelly.