terça-feira, 20 de maio de 2008

114- SORVETES E MAIS SORVETES (O Tempo Passa...)

Eu era adolescente. Meu tio Renato devia ter uns 50 anos de idade. Já estava com diabetes naquela época. Uma verdadeira tortura para quem era “tarado” por doces, como ele.
Tio Renato, antes da diabetes, gostava tanto de doce, que certa vez, numa reunião de família, os parentes se atracavam para comer “ambrosia” - o doce oficial da família Osório – enquanto outras guloseimas ficaram esquecidas pela turba. Uma delas era uma vasilha de arroz doce, com apenas um quarto dela comido. O tio virou-se para mim, fã que sou de arroz doce e disse: “Vamos deixar eles com a ambrosia, vamos comer este pirex. Meio a meio”. Topei na hora e repartimos aquela vasilha toda, gulosamente, inteirinha!
Pois bem, estávamos no Guarujá, em pleno verão, curtindo a praia. Ele com seus quatro filhos, e mais quatro sobrinhos – eu era um deles. À noite combinamos ir ao centro da cidade tomar sorvete de massa. Havia várias sorveterias na cidade, mas apenas uma oferecia sorvete diet. E só um sabor: chocolate. Já o sorvete normal era oferecido em mais de 30 sabores.
O tio, todo animado, me desafiou: “Vamos ver quem toma mais sorvete”. Achei fácil ganhar dele, afinal eu tinha muitas escolhas e ele só chocolate – iria se enjoar logo.
Qual não foi a minha decepção quando, depois de tanto sorvete, tio Renato conseguiu tomar mais sorvete do que eu. Saí da sorveteria sentindo mal estar, enquanto ele se lamentava: “pena não ter outros sabores, eu até tomaria mais um...”

3 comentários:

Vilma disse...

Hummmmmm.. agora eu comia um arroz doce! :)

Esse seu tio hein? heheheh

bete p.silva disse...

Grande Tio Renato! Eu preferia o arroz doce, sem coco, sem amendoim, sem leite condensado, sem frescuras, só arroz doce com açúcar queimado e canela! Hummmmmmmm

Lou Mello disse...

Eu sabia que você não era de tomar sorvete. Ou seria fritar bolinho? Agora fiquei em dúvida.