quinta-feira, 29 de maio de 2008

Sonhos de Einstein

"Suponhamos que o tempo seja um círculo fechado sobre si mesmo. O mundo se repete, de forma precisa, infinitamente.
Na maior parte dos casos, as pessoas não sabem que voltarão a viver suas vidas. Comerciantes não sabem que farão o mesmo negócio várias vezes. Políticos não sabem que gritarão da mesma tribuna um número infinito de vezes nos ciclos do tempo. Pais e mães conservam na memória a primeira risada de seu filho como se nunca mais fossem ouvi-la. Amantes, ao fazer amor pela primeira vez, despem-se timidamente, mostram-se surpresos com a coxa acolhedora, o frágil bico do seio. Como podem saber que cada olhar secreto, cada toque, serão repetidos e de novo repetidos, exatamente como antes?"

Trecho do interessantíssimo livreto de ficção "Sonhos de Einstein", de Alan Lightman, ed. Cia das Letras, que explora liricamente as mais criativas concepções do Tempo, como se o próprio Albert Einstein as tivesse sonhado.

5 comentários:

Lou Mello disse...

Pouco tempo atrás, um cosmólogo da USP foi entrevistado no programa Roda Viva da TV Cultura e ao ser perguntado sobre a questão do tempo, afirmou ser possível, em tese, voltar ao passado e ir ao futuro. No nosso caso, o obstáculo é a nossa gravidade que não é a ideal para tanto.

Roger disse...

Nem me fala que terei que passar por essa luta de novo, sempre de novo !!! :(

bete pereira da silva disse...

O que é um cosmólogo?

Rubinho Osório disse...

Bete,
Suponho que seja um estudioso do cosmos...

Paulo Brabo disse...

Ah, o deleite circular do Eterno Retorno, um dos temas mais caros do circular Borges.

Lembro de ter comentado precisamente isto em outra vida, mas coloco agora uma vírgula num lugar, errado para marcar esta página.